#475569

Pneumonia

Dra. Sara Lemos

Dra. Sara Lemos

Médica de Família

Publicado em 12/04/2024

À medida que os dias frios de outono e inverno se instalam, há um notável aumento nos casos de doenças respiratórias, incluindo a pneumonia, que vai além dos sintomas de uma gripe comum. Mas, afinal, o que caracteriza a pneumonia? Este texto visa esclarecer essa questão, oferecendo insights sobre como essa doença afeta o organismo, além de discutir métodos preventivos e opções de tratamento. Junte-se a nós nesta exploração concisa para compreender melhor a pneumonia e como se proteger e cuidar de quem está ao seu redor.

Idosa segurando o peito enquanto tosse, simbolizando dificuldade para respirar.

O que é Pneumonia?

A pneumonia, uma infecção respiratória aguda que assola as vias áreas inferiores, manifesta-se através da inflamação dos sacos aéreos (alvéolos pulmonares) em um ou ambos os pulmões. Os alvéolos podem se encher com líquido ou pus, dificultando a respiração e causando sintomas severos que podem incluir tosse, febre e dificuldade para respirar. Uma grande variedade de organismos, incluindo bactérias, vírus e fungos, pode causar pneumonia.

Essa condição, que afeta milhões de indivíduos ao redor do globo anualmente, não escolhe idade ou fronteiras, impactando desde os mais jovens até os mais velhos, com um risco particularmente elevado entre aqueles com sistemas imunológicos comprometidos, doenças crônicas ou idade avançada - com mais de 65 anos.

Existem várias categorias de pneumonia, que podem ser classificadas com base onde a infecção foi adquirida como:

  • Pneumonia adquirida na comunidade: É a mais comum, ocorrendo fora de hospitais ou outras instalações de saúde.
  • Pneumonia nosocomial (ou hospitalar): Desenvolve-se em pacientes hospitalizados por outras condições e pode ser mais grave porque as bactérias envolvidas podem ser mais resistentes a antibióticos.
  • Pneumonia por aspiração: Ocorre quando se inala alimentos, líquidos, vômitos ou saliva para os pulmões. Pode acontecer quando algo perturba o reflexo normal de deglutição, como um acidente vascular cerebral ou intoxicação alcoólica.

Sintomas comuns da Pneumonia

Os sintomas mais comuns incluem:

  • Tosse, podendo ser seca ou produzir catarro (expectoração) de cor verde, amarela ou até mesmo sanguinolenta (com sangue);
  • Febre acima de 38°C, calafrios e sudorese;
  • Dificuldade respiratória (falta de ar);
  • Dor ao respirar profundamente;
  • Frequência cardíaca acelerada (sensação de taquicardia);
  • Dor no peito, aguda ou pontada que piora ao respirar profundamente ou tossir;
  • Fadiga e fraqueza;
  • Outros sintomas como náuseas, vômitos, dor de cabeça, perda de apetite e confusão mental (especialmente em idosos).

Em crianças e bebês, os sinais de pneumonia podem ser menos específicos e incluir irritabilidade, dificuldade para se alimentar, respiração acelerada e inquietação. Em casos muito graves, a pele, os lábios ou as unhas podem apresentar uma coloração azulada devido à falta de oxigênio.

Quando buscar ajuda médica?

É fundamental procurar um médico se você suspeita ter pneumonia. A doença pode ser leve, mas também pode se agravar rapidamente se não tratada.

Sintomas que exigem atenção imediata incluem piora da tosse, dificuldade para respirar em atividades diárias ou em repouso, dor no peito ao respirar, piora súbita após um resfriado ou gripe, sistema imunológico comprometido, doenças pulmonares crônicas, ou se você tem 65 anos ou mais.

Como a Pneumonia é diagnosticada?

O diagnóstico de pneumonia geralmente começa com uma avaliação clínica detalhada, seguida por exames complementares. O médico começará perguntando sobre os sintomas do paciente, histórico médico e possíveis exposições a doenças. Após o exame físico detalhado pode ser necessário a realização de exames, como um raio-X do tórax e exames de sangue.

O diagnóstico precoce e preciso da pneumonia é crucial para iniciar o tratamento apropriado o mais rápido possível, especialmente em populações vulneráveis, como idosos, crianças e pessoas com doenças crônicas ou imunossupressão, onde a pneumonia pode progredir rapidamente e se tornar potencialmente fatal.

Tratamento para Pneumonia

O tratamento para pneumonia depende de vários fatores, incluindo o tipo de patógeno causador da infecção (bactérias, vírus, fungos), a gravidade dos sintomas, a idade do paciente e a presença de condições de saúde subjacentes. A escolha do tratamento depende também de se a pneumonia foi adquirida na comunidade ou em ambiente hospitalar, pois diferentes microrganismos podem estar envolvidos.

Em casos de pneumonias bacterianas, o tratamento é realizado com a prescrição de antibióticos e sintomáticos (analgésicos e antipiréticos como paracetamol ou dipirona). Para as pneumonias virais,, como as causadas pelo vírus influenza ou SARS-CoV-2, pode ser necessário o uso de antivirais específicos. Pacientes com condições de saúde subjacentes, idosos, ou aqueles com pneumonia grave, podem precisar de hospitalização para monitoramento e tratamento mais intensivo.

Recuperação da Pneumonia

Após iniciar o tratamento, a expectativa é que a melhora comece entre 3 a 5 dias.

A maioria das pessoas consegue retomar suas atividades normais em uma semana, mas a fadiga e a tosse podem persistir por mais tempo.

Não se esqueça que, caso prescrito antibióticos, é fundamental o uso conforme prescrição médica, mesmo que haja melhora antes do término da medicação.

Prevenção da Pneumonia

A prevenção da pneumonia inclui a vacinação contra agentes específicos como o pneumococo, SARS coV-2 (covid) e a influenza, além de medidas gerais de saúde, como lavar as mãos regularmente e evitar fumar.

Caso haja presença dos sintomas, recomendamos que o paciente consulte-se com uma das especialidades abaixo:

Esperamos que este guia tenha esclarecido suas principais dúvidas sobre a pneumonia. Lembramos sempre da importância de buscar ajuda médica para um diagnóstico e tratamento adequados. Cuide-se!

Dra. Sara Lemos

Escrito por Dra. Sara Lemos

Médica de Família

CRM-MG: 48683

Você tem uma pergunta?

Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se a um especialista.