#475569

Endocardite

Dra. Sara Lemos

Dra. Sara Lemos

Médica de Família

Publicado em 13/05/2024

A endocardite é uma infecção grave e potencialmente fatal do revestimento interno do coração, conhecido como endocárdio. Essa condição é geralmente causada por bactérias que entram na corrente sanguínea e se alojam no coração, sendo mais frequente em indivíduos com válvulas cardíacas artificiais, doenças cardíacas congênitas, cardiomiopatia hipertrófica, válvulas cardíacas danificadas ou histórico prévio de endocardite. Usuários de drogas injetáveis também apresentam um risco aumentado.

Sintomas de endocardite

Os sintomas da endocardite podem variar, mas geralmente começam de forma sutil, semelhante a um quadro gripal, e se tornam mais graves à medida que a infecção progride. Aqui estão os sintomas mais comuns:

- Febre alta: frequentemente um dos primeiros sinais de endocardite.

- Calafrios: muitas vezes acompanhando a febre.

- Dor de cabeça: pode ser constante e persistente.

- Dores nas articulações e músculos: desconforto geral que pode ser confundido com sintomas de gripe.

- Fadiga: sensação de cansaço e fraqueza que não melhora com repouso.

- Suores noturnos: intensos e frequentes.

- Perda de apetite: frequentemente acompanhada de perda de peso.

- Manchas de Roth: pequenas manchas vermelhas nos olhos, na boca ou na pele, que são hemorragias sob a pele.

- Nódulos de Osler: pequenos nódulos dolorosos no dedos das mãos ou dos pés.

- Manchas de Janeway: manchas indolores e vermelhas ou roxas nas palmas das mãos ou solas dos pés.

- Petéquias: pequenas manchas vermelhas ou roxas na pele, olhos, boca ou dentro das pálpebras.

Além disso, se a infecção avançar sem tratamento adequado, pode causar sintomas mais graves relacionados a danos nas válvulas cardíacas, como sopro cardíaco (um som anormal ouvido durante a ausculta do coração), insuficiência cardíaca, ou sinais de AVC, dependendo da severidade e da localização da infecção dentro do coração. É crucial buscar atendimento médico imediato se qualquer um desses sintomas ocorrer, especialmente em pessoas com fatores de risco para endocardite.

Tratamento da endocardite

O tratamento da endocardite normalmente requer administração de antibióticos por via intravenosa, geralmente necessitando de internação hospitalar. Em casos mais severos, pode ser necessária uma intervenção cirúrgica para reparar ou substituir válvulas cardíacas danificadas ou para drenar abscessos formados. O diagnóstico precoce e o tratamento imediato são cruciais para melhorar as chances de recuperação do paciente.

Quem é afetado

Embora seja uma condição rara, a endocardite pode ocorrer em pessoas de todas as idades, sendo mais comum entre indivíduos mais velhos. Homens têm aproximadamente o dobro de probabilidade de desenvolver a doença em comparação às mulheres. O aumento na prevalência de procedimentos médicos, como cirurgias de substituição de válvulas e o tratamento de doenças cardíacas congênitas, também tem contribuído para um aumento nos casos de endocardite.

Caso haja presença dos sintomas, recomendamos que o paciente consulte-se com uma das especialidades abaixo:

Em conclusão, a endocardite é uma condição médica grave que requer atenção imediata devido à sua natureza potencialmente fatal. Os sintomas inicialmente podem ser sutis e semelhantes aos de uma gripe, como febre alta, calafrios, dor de cabeça e dores musculares, mas podem progredir para sinais mais alarmantes, como manchas de Roth, nódulos de Osler, e manchas de Janeway. O reconhecimento precoce desses sintomas e a busca por tratamento médico são essenciais para prevenir complicações sérias, como danos às válvulas cardíacas, insuficiência cardíaca e acidente vascular cerebral. Pessoas com condições de risco elevado, como aquelas com válvulas cardíacas artificiais ou danificadas, devem ser particularmente vigilantes e procurar avaliação médica imediata ao notar quaisquer sintomas atípicos.

Dra. Sara Lemos

Escrito por Dra. Sara Lemos

Médica de Família

CRM-MG: 48683

Você tem uma pergunta?

Este serviço não substitui uma consulta com um profissional de saúde. Se tiver algum problema ou urgência, dirija-se a um especialista.